Política Nacional /

Terça-feira, 28 de Janeiro de 2020, 16h:30

A | A | A

MPF pede que chefe da Secom seja investigado por corrupção e peculato

arrow-options Carolina Antunes/PR Chefe da Secom, Fábio Wajngarten será alvo de investigação da Polícia Federal O Ministério Público Federal em Brasília...


Imagem de Capa

IstoÉ

Chefe da Secom, Fábio Wajngarten será alvo de investigação da Polícia Federal arrow-options
Carolina Antunes/PR
Chefe da Secom, Fábio Wajngarten será alvo de investigação da Polícia Federal


O Ministério Público Federal em Brasília pediu à Polícia Federal nesta segunda-feira (27) a abertura de inquérito criminal para investigar o chefe da Secretaria de Comunicação da Presidência da República (Secom) , Fabio Wajngarten . As informações são do jornal Folhas de S.Paulo.

A investigação visa apurar apurar supostas práticas de corrupção passiva , peculato (desvio de recursos públicos feito por funcionário público, para proveito pessoal ou alheio) e advocacia administrativa (patrocínio de interesses privados na administração pública, valendo-se da condição de servidor).

O pedido do MPF ocorre após uma série de reportagens da Folha que indicam Wajngarten como sócio majoritário da Fw Comunicação , que recebe dinheiro de emissoras de TV (entre elas Record e Band ) e de agências de publicidade contratadas pela própria Secom e outros órgãos do governo de Jair Bolsonaro .

Leia também: TCU investiga se Secom distribuiu verbas com critérios políticos

Privilégios 

De acordo com o jornal, o secretário estaria privilegiando as empresas com a qual a FW Comunicação tem contrato. O caso correrá em sigilo. As penas previstas para os crimes de corrupção passiva e peculato variam de 2 a 12 anos de prisão, além de multa. No caso do crime de advocacia administrativa , aplica-se detenção de um mês a um ano.

Procurado na segunda-feira pela reportagem da Folha, Wajngarten não se manifestou. Ele tem negado irregularidades. A legislação vigente proíbe integrantes da cúpula do governo de manter negócios com pessoas físicas ou jurídicas que possam ser afetadas por suas decisões. A prática implica c onflito de interesse s e pode configurar ato de improbidade administrativa , se demonstrado o benefício indevido. 

0 Comentário(s)
Nenhum comentário ainda, seja o primeiro!
Edição impressa
imagem
os maiores eventos e coberturas
Você é a favor ou contra a privatização da MT 130 sentido Paranatinga?
A favor
Contra
Tanto faz