Tecnologia /

Domingo, 01 de Abril de 2018, 14h:48

A | A | A

Conheça o grafeno, material que promete revolucionar a tecnologia mundial

Reprodução/Twitter Simulação de um celular que utiliza a tecnologia do grafen: flexível e ultra-fino Um material superfino, flexível como plástico,...


Imagem de Capa
Simulação de um celular que utiliza a tecnologia do grafen: flexível e ultra-fino
Reprodução/Twitter
Simulação de um celular que utiliza a tecnologia do grafen: flexível e ultra-fino

Um material superfino, flexível como plástico, excelente condutor elétrico, mais forte do que o aço e com dezenas de potencialidades ainda inexploradas. Estamos falando do grafeno , que é tido por especialistas e pesquisadores como o “material do futuro” .

Leia também: Criador do WhatsApp sugere que usuários excluam suas contas do Facebook

E, por incrível que pareça, ele é feito da mesma matéria que a ponta de um lápis: o grafeno é um cristal de carbonos derivado do grafite. Atualmente, centros de excelência tecnológica ao redor do globo vêm testando sua aplicação em novos aparelhos celulares ultrafinos e flexíveis, carros, aviões e redes de fibra ótica.

Cientistas já especulam, também, que o grafeno propiciará avanços na internet, aumentando a velocidade de acesso à rede mundial de computadores. Ele também pode vir a substituir o silício em chips de notebooks e celulares, transformando-se assim na força motriz de mais uma revolução tecnológica.

Abaixo, explicamos em detalhes do que se trata o grafeno, este material que promete mudar, de novo, a nossa relação com a tecnologia.

O que é grafeno?

O grafeno é, em síntese, uma camada superfina de grafite. Sua peculiaridade é que ele se trata do primeiro material 2D do mundo: como todos os materiais, possui largura e comprimento, mas sua espessura é de um único átomo.

Por isso, o grafeno é o material mais fino que se pode conceber: para se ter uma ideia, ele é um milhão de vezes mais fino do que um fio de cabelo humano.

Leia também: Você viu? YouTube lança player dinâmico dos vídeos para usuários de Android

Embora aparentemente frágil, o grafeno é, contudo, 200 vezes mais forte que o aço. Extremamente denso, embora leve, o grafeno é também maleável. Por isso, cogita-se que ele possa vir a ser usado na telefonia celular, criando telas flexíveis e superfinas.

O grafeno é, também, transparente e impermeável – outra das vantagens frente a outros materiais usados na eletrônica que são sensíveis à água, por exemplo.

Por fim, o grafeno é um ótimo condutor de calor e eletricidade. Daí suas potencialidades em fibras óticas e na composição de motores e geradores de energia.

Do que é feito?

É um material derivado do grafite, uma forma comum do carbono. Uma lâmina de grafeno trata-se de uma treliça formada por átomos de carbono ligados de forma hexagonal, todos num único plano, como na imagem abaixo:





Em que países existe?

Atualmente, existem no mundo mais de 100 empresas buscando desenvolver as potencialidades do grafeno. 

A própria União Europeia, em 2013, criou um programa de fomento à pesquisa do material, o “Graphene Flagship”. Orçado em mais de € 1 bilhão, a iniciativa reuni cientistas de 23 países diferentes.

Entre estes países, a Inglaterra é tida como centro de excelência na pesquisa do derivado do carbono.

Andre K. Geim e Konstantin S. Novoselov, vencedores do Nobel de Física de 2010, sendo os primeiros a produzir grafeno em laboratório, lecionam na Universidade de Manchester, que é conhecida pela comunidade científica com o “lar do grafeno”.

Entre outras utilidades, os dois pesquisam o uso do material na filtragem de água, em tintas anticorrosivas e diversas aplicações medicinais.

Mas não só no velho continente cientistas voltam sua atenção para o novo material.

Em Israel, a empresa Graphene-Info já trabalha com a possibilidade de substituir toda a tecnologia a base de silício por grafeno: baterias, sensores, telas e monitores, apostam os cientistas, serão todos feitos do composto de carbono no futuro.

Outra inovação proposta pelo grupo israelense é o uso do grafeno em baterias de carros elétricos, que se recarregariam em um intervalo de poucos minutos. Os projetos já estão em andamento.

No Brasil as pesquisas sobre o material também estão em andamento.

A Universidade Presbiteriana Mackenzie, de São Paulo, criou em 2013, um centro de pesquisas em grafeno, o MackGraphe, com um orçamento inicial de US$ 20 milhões. O centro atua em parceria com o a Unidade de Materiais Avançados 2D da Universidade Nacional de Cingapura. 

Já existe aplicações de uso no dia a dia?

Por enquanto, o grafeno está restrito aos laboratórios e aos cientistas. Embora haja previsão de múltiplos usos, da medicina à tecnologia aeroespacial, tablets e automóveis, os altos custos de produção ainda não viabilizam a produção industrial do material.

A aposta, contudo, é que esse quadro se reverta, de modo que nos próximos anos o uso do material tende a se popularizar. Já se estima que o grafeno movimentará bilhões de dólares em um futuro não muito distante.

Um texto publicado no site da Universidade de Manchester, o “lar do grafeno”, já aposta inclusive em uma nova revolução tecnológica.

“O grafeno é uma tecnologia disruptiva”, diz o texto. “Algo que pode abrir novos mercados e, até, substituir tecnologias e materiais existentes”.

Quando estará disponível para o consumidor?

Foi assim com o plástico e o silício: em um primeiro momento, ficaram confinados aos laboratórios; em seguida, passaram a ser usados em tecnologia militar e aeroespacial; e, só então, com a descoberta de técnicas mais baratas de produção, chegaram ao consumidor comum. Esses processos levaram cerca de 20 anos, e deve ser assim também com o grafeno.

Assim, os cientistas estimam que o material tornará mesmo obsoletos os atuais circuitos de silício e os displays de celulares e notebooks, tão frágeis e, se comparados ao grafeno, pouco práticos. Mas isso ainda deve levar uma década ou mais.

Mas, quando acontecer, muita coisa vai mudar: os computadores devem ficar até 10 vezes mais velozes, e será possível, por exemplo, recarregar um celular em questão de poucos minutos.

Para tanto, os cientistas já estão pensando em formas de baratear os custos de produção do grafeno , e bilhões de dólares em pesquisas têm sido despendidos.

Leia também: Twitter deverá seguir Google e proibir anúncios de moedas como bitcoin

0 Comentário(s)
Nenhum comentário ainda, seja o primeiro!
Edição impressa
imagem
os maiores eventos e coberturas

26/06 - Em cerimônia pontuada por bom gosto e emoção na Igreja Matriz, Thayara Rodrigues & Duan Pilonetto receberam a bênção matrimonial no último sábado, 22. Impecavelmente vestida pelo estilista mais famoso do Brasil, Lucas Anderi, a noiva emocionou os convidados logo antes da sua entrada com depoimento para o noivo. Já ele usava um terno Camargo, sendo que o estilista fez questão de colocá-lo em suas redes sociais. Com um flashmob feito pela Musique Casamentos, cantores e violinos surgiam entre os convidados enquanto as alianças eram conduzidas pela avó da noiva ao altar. Queima de fogos iluminaram a noite ao final da cerimônia religiosa. O salão do Centro de Eventos Primacredi foi transformado com suntuosa decoração por Anna Carolina para receber o em torno de 500 convidados para a celebração da boda. O buffet sempre agradável de Dulce Aguiar, (Roo) servia de volantes como as panelinhas quentes até um buffet de comida japonesa requintado, na ímpar noite que foi adoçada pelas receitas de Claudete Zandoná. A animação da festa ficou a cargo da Banda Bis de Cuiabá, além do receptivo da Musique com apresentação do Brass Live durante a festa que foi até as 6 da manhã. Um dos pontos altos da noite foi a surpresa feita pelos padrinhos que interromperam o final da apresentação dos noivos, surpreendendo com todas as músicas que os recém casados gostam e fazendo a festa já pegar fogo, mais uma das brilhantes ideias do Cerimonial Fabiano Fernandez que produziu e atendeu todo o evento com a mesma maestria de sempre, já conhecida e aprovada. Confira mais flashes by Marcello Holanda . Fotos oficiais Fares Rames.

Você é a favor ou contra a revitalização das Avenidas de Primavera?
A favor.
Contra.
Não tenho opinião formada sobre o assunto.