ARTIGO /

Quarta-feira, 26 de Fevereiro de 2020, 07h:00

A | A | A

Carnaval

Fantasiados estamos protegidos dos julgamentos e possíveis críticas. É exatamente nesta festa democrática que grande parte da população se liberta, sem se preocupar com a censura


Imagem de Capa
Beatriz G. Rufato

A festa mais esperada do ano já está a todo vapor. Mas o que diz a psicologia sobre este evento, suas fantasias e brincadeiras? Qual a relação de Carl Jung com o tema?

 

O pai da sociologia moderna, Émile Durkheim, analisou os ritos desta manifestação popular e chegou à conclusão de que os rituais do carnaval são uma forma encontrada pela sociedade de esquecer o mundo real e viajar para outro mundo onde quem manda é a imaginação.

Para Jung, os rituais facilitam a conexão entre a realidade interior e exterior, assim como os mundos desconhecidos e conhecidos. Desde que o homem era primata, ele utilizava rituais como a dança e cantos para se liberar e expressar determinado sentimento. Jung chamou este comportamento de “arquétipo”. Para ele, a linguagem que é feita a matéria dos sonhos e fantasias é “pensamento não dirigido”. Aqui o que é lógico e físico fica de fora.

A psicologia e o carnaval

Hoje em dia as pessoas vivem em um ritmo de vida pesado, tentando conciliar a vida profissional com a pessoal. Estamos constantemente pagando contas e lidando com os desafios do dia a dia. Porém, para muitos, quando chega o carnaval, a racionalidade deixa espaço para alegria e prazer tomarem conta. Para Freud, é neste momento que o ID, uma instância psicológica que cada indivíduo possui, é tomado pelos impulsos do prazer e conduzido pelos desejos, não mais pelas consequências.

Fantasiados estamos protegidos dos julgamentos e possíveis críticas. É exatamente nesta festa democrática que grande parte da população se liberta, sem se preocupar com a censura. Alguns especialistas afirmam que este período é importante para ajudar a vivenciar outros aspectos psicológicos. É a hora em que o indivíduo se permite extravasar e ser diferente do que é nos outros dias do ano.

Quando chega a quarta-feira de cinzas é hora de voltar à vida real. Durante o resto do ano os momentos de lazer vividos neste período ficarão guardados na memória dos foliões, que já começam a esperar, ansiosos, pelo próximo ano, para deixarem a fantasia tomar conta.

0 Comentário(s)
Nenhum comentário ainda, seja o primeiro!
Edição impressa
imagem
os maiores eventos e coberturas
Você é a favor ou contra a privatização da MT 130 sentido Paranatinga?
A favor
Contra
Tanto faz