DECISÃO /

Sexta-feira, 20 de Setembro de 2019, 07h:00

A | A | A

STF extingue taxa de incêndio em MT

Somente em Primavera do Leste o estado arrecadava o equivalente a R$ 1 milhão. Com a decisão estado perderá cerca de R$ 14 milhões anuais


Imagem de Capa
Jaqueline Hatamoto

A partir do próximo ano, os empresários de Primavera do Leste e outros 21 municípios do estado de Mato Grosso, não terão mais que pagar a Taxa de Segurança Contra Incêndio (Tacin). A taxa foi extinta definitivamente no estado por força de uma decisão da  Segunda Turma do Supremo Tribunal Federal (STF) tornando inválida a tributação instituída pela Lei Estadual 4.547, de 1982. A decisão passou a valer a partir do dia 18 deste mês.

O Governo do Estado entrou com recurso especial contra decisão anterior do relator da matéria, ministro Gilmar Mendes, dada em março e que declarava o tributo como ilegal. Ele atendia demanda interposta pela Grifort Indústria e Serviços de Apoio e Assistência à Saúde Ltda, livrando-a de ter que pagar algo em torno de R$ 14,5 milhões à Secretaria de Estado de Fazenda (Sefaz), em relação a Taxa.

Para tentar defender a constitucionalidade do recolhimento, a Procuradoria Geral do Estado (PGE) afirmou a essencialidade do combate a incêndios a ser viabilizada mediante arrecadação de impostos baseado em entendimento anterior da Suprema Corte, fixado em jurisprudência, quanto à possibilidade de instituição de tal taxa em razão de se tratar de um serviço de caráter específico e divisível.

Essa argumentação foi afastada tanto pelo relator quanto pelo colegiado que o confirmou.  Gilmar Mendes classificou as alegações do governo como impertinentes, nascidas de mero inconformismo com a decisão, querendo apenas rediscutir uma pauta já decidida e baseada justamente na jurisprudência.

“Como já demonstrado na decisão agravada, esta Corte [...] firmou o entendimento de que a remuneração da atividade de prevenção e de combate a incêndio deve ocorrer por meio de impostos, e não de taxa, independente de ser o Estado ou município o ente instituidor do tributo”, consta em trecho do voto do relator.

O voto de Mendes foi seguido pelos ministros Cármen Lúcia (Presidente), Celso de Mello, Ricardo Lewandowski e Edson Fachin. “Vistos, relatados e discutidos estes autos, acordam os ministros do Supremo Tribunal Federal, em segunda turma, sob a presidência da senhora ministra Cármen Lúcia na conformidade da ata de julgamento e das notas taquigráficas, por unanimidade, negou provimento ao agravo regimental, sem majoração da verba honorária, tendo em vista tratar-se de mandado de segurança na origem, nos termos do voto do relator”.

O pagamento da Tacin era relativa a edificações, instalações e locais de riscos que possuam o Alvará de Prevenção Contra Incêndio e Pânico emitido pelo Corpo de Bombeiros. Em Mato Grosso, a Tacin deve ser paga por contribuintes do comércio, indústria e prestadores de serviços situados nos 18 municípios mato-grossenses que possuem unidades do Corpo de Bombeiros, entre eles está a cidade de Primavera do Leste e Campo Verde.

Segundo a Lei Orçamentária Estadual, a previsão de arrecadação dessa taxa para 2019 é de R$ 14,8 milhões, correspondente a mais de 50 mil estabelecimentos.  Só em Primavera do Leste, cerca de R$ 1 milhão foram arrecadados com a Tacin.

O valor da taxa era calculado levando em consideração a atividade desenvolvida no imóvel, o tamanho e a respectiva classificação de risco de incêndio. O cálculo da Tacin é influenciado pela área construída (utilizada pelo contribuinte), pelo fator de graduação de risco e pela carga de incêndio específica do estabelecimento.

 

DINHEIRO DA TAXA IA PARA CONTA ÚNICA

Apesar da Tacin ser paga por 22 dos 141 municípios do estado, o dinheiro arrecadado com a taxa ia para uma conta única, ou seja, não fica para o município.

Em março deste ano a Câmara de Dirigentes Logista – CDL e Associação Comercial de Primavera do Leste, entraram com liminares para tentar impedir o pagamento da taxa até a decisão por parte do STF, porém, as ações não tiveram sucesso.

Na época, o presidente da CDL, Naudir Rohr, declarou que “Esse dinheiro não fica para cidade, vai para uma conta única. Por exemplo, os empresários de Primavera do Leste pagam juntos o equivalente a R$ 1 milhão, e esse dinheiro não fica para investimento na cidade. Não acho justo o comércio ser taxado para pagar por um serviço que todo o cidadão usa”. 

Com a decisão o estado Estado perderá cerca de R$ 14 milhões anuais.

Cerca de 70 mil contribuintes eram obrigados ao pagamento da taxa.

0 Comentário(s)
Nenhum comentário ainda, seja o primeiro!

MAIS Primavera Do Leste

Com decisão do STF, cinco mil presos podem ser beneficiados

No Banco Nacional de Monitoramento de Prisões (BNMP), do Conselho Nacional de Justiça (CNJ), consta que há 190 mil presos já sentenciados, porém, sem trânsito em julgado. Segundo o CNJ, é incorreto afirmar que estes serão beneficiados de liberdade.

Feminicídio pode se tornar crime imprescritível

Somente neste ano, em Primavera do Leste, quatro mulheres foram assassinadas de forma brutal

MAIS LIDAS NO CLIQUE F5

MAIS LIDAS MATO GROSSO


Abaixo reportagens especiais e exclusivas para os assinantes do Jornal O Diário

VANTAGEM

Conheça as vantagens oferecidas no CLUBE DO ASSINANTE DO O DIÁRIO

descontos em medicamentos, mensalidade de academias, compra de óculos, corrida de moto táxi, compra de gás de cozinha e até mesmo na conta do barzinho do final de semana. Esses são alguns dos benefícios oferecidos.

Nome ou atividade:

Bairro ou logradouro:

Produto:

Buscar em:

Edição impressa
imagem
os maiores eventos e coberturas
Você é a favor ou contra a privatização da MT 130 sentido Paranatinga?
A favor
Contra
Tanto faz